"O conhecimento é o mais potente dos afetos: somente ele é capaz de induzir o ser humano a modificar sua realidade." Friedrich Nietzsche (1844?1900).
professora Gisele Leite
Diálogos jurídicos & poéticos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

AS VÁRIAS FACES DA IDEOLOGIA
“A ideologia é o comprometimento da consciência social em proveito da classe no poder”.
“A ideologia encobre ou retarda o conhecimento da realidade, não nos deixando vê-la como é”.


A Pátria é a terra de nossos pais, é o lugar onde nascemos. É bem mais do que isto, do que o solo em que viemos ao mundo.

É o berço de irmãos e compatriotas, e isso desperta em nós o sentimento de pertencer a uma nação. Pelo fato de falarmos a mesma língua e de sermos regidos por uma organização política comum, desenvolvemos uma identidade grupal.

Assim, pátria não é apenas espaço físico, é, sobretudo, criação coletiva. Todos juntos elaboramos a “sua” pátria-matriz cultural. Como agem movidos por idéias e formulam idéias sobre situações concretas, manifestam sua concepção de pátria de acordo com os modelos ideais de conduta, que são valores.

Os valores dão significado e orientam as relações sociais. Justiça, liberdade, igualdade e progresso são exemplos de valores. Sua influência sobre ação coletiva pode acontecer, por exemplo, na forma de resposta do povo em eleições ou no desencadear de um processo de impeachment presidencial.

Cantamos a pátria em prosa e verso, representamos com símbolos, imagens e gestos aquilo que nos impressiona nessa convivência. “A língua é minha pátria. E eu não tenho pátria tenho mátria Eu quero frátria”. (...) estes versos contidos na música de Caetano Veloso “Língua” ilustram bem o que constitui o sentimento de pátria.

Recriamos em nível simbólico, as relações com os homens e com a natureza. No caso da pátria, trata-se de um fenômeno que ocorre de modo visível, pois ela é fonte de muitas representações.

Devido às possibilidades de se criarem valores sociais que dão sentido à pátria – solidariedade, respeito, tradição, cultura, para citar alguns _ , ela pode ser concebida por meio de idéias capazes de impulsionar ao agir. É a isso que chamamos de ideologia.

À medida que se pensa e se representa o convívio pátrio, vão se conhecendo, explicando, justificando as condições dessa convivência, inclusive a participação na vida política do país.

A ideologia é um fenômeno social cheio de sutilezas. Mais que idéias que se impõem, as ideologias tem dimensão prática, pois idéias impulsionam os homens à ação e a própria ação altera as idéias que não têm auto-sustentação.

Esse é um processo histórico, recíproco, que ocorre ao nos associarmos para garantir a reprodução da vida biológica e cultural.

Os valores ligados à pátria podem ser descaracterizados, em circunstâncias históricas determinadas.

Surge, então uma concepção de pátria marcada por apropriações (alguns se acham donos da pátria); por manipulações (as ações são conduzidas pelos interesses dominantes); por interpretações (explicam-na de acordo com suas conveniências).

A ideologia, portanto, faz uso de certa concepção de pátria. A ação resultante atende a interesses oportunistas, seja em nome da defesa de possíveis inimigos, seja visando à projeção do desenvolvimento nacional.

Generalizar ou universalizar o que é particular é uma das artimanhas da ideologia.

Globalizar coisas heterogêneas, impondo-lhe uma uniformidade conceitual e forçada, é também um dos tentáculos da ideologia. A ideologia orienta e legitimiza a ação dos homens na história, por meio de realidades genéricas que chamamos universais, tais como Pátria, Família, Nação, Ciência, Igreja, Estado, Escola.

Nascidas das situações concretas que atendem às necessidades humanas, essas idéias genéricas ordenam a sociedade. É com elas que os homens constroem o imaginário social – um conjunto coerente e sistemático de imagens e representações culturais, econômicas e políticas capaz de explicar e justificar a realidade.

A ideologia é o grande sofisma social a transformar as chagas em flores, e as injustiças em rituais rotineiros.

Universalizar ou generalizar é peculiar da ideologia que assim logra em ocultar a especificidades do real.

Os universais são formas de vivência social que já não se identificam com as manifestações particulares, seja da família, da pátria, da escola, seja do Estado A maneira pela qual essas entidades são organizadas torna-as diferentes das partes que as compõem. Ganham autonomia em relação aos indivíduos que as integram, segundo o filósofo Herbert Marcuse.

Essa autonomia embora real, não é legítima, pois são poderes particulares que se encarregam de organizar as esferas do social, constituindo, uma comunidade ilusória. O chamado Estado dobem-estar social “parece uma entidade separada dos interesses dos grupos que têm acesso ao poder político. No entanto, sabemos que esses interesses são os que levam o Estado a agir”.

Os argumentos da ideologia são envolventes e convincentes, mas cheios de vazios – trata-se do discurso lacunar, segundo Marilena Chauí. Esse discurso não oferece explicações verdadeiras, permanece na constatação de determinações situação.

Sem esclarecer a realidade das condições sociais, a ideologia justifica por que a sociedade é assim e não de outro modo, utilizando as explicações dos dominadores, a ideologia reduz as experiências históricas dos grupos sociais inferiores, minimizando suas conquistas e dificultando a busca de alternativas.

De fato, Marx tinha razão: é o ser social que determina a consciência. Ou seja, a consciência social não depende da ação de indivíduos isolados, mas, sim, da estrutura da sociedade; do modo de produzir a subsistência políticos-decisórias vigentes. A ideologia quer legitimar a aceitação de determinadas posições político-sociais.

Em nossa sociedade, a ideologia origina-se do processo capitalista de trabalho, em que o produto é alienado de seu produtor. A partir desse afastamento, a ideologia inverte a realidade, dificultando sua percepção.

A ideologia em seu sentido originário é uma palavra criada por Destutt de Tracy, em 1801, quando em seu livro Projeto de elementos de ideologia empregou-a como ciência que tem por objeto o estudo das idéias (fatos da consciência). Karl Marx e Friedrich Engels deram-lhe um sentido político, em meados do século XIX.

Ideólogo refere-se àquele que voa em seu pensamento, sonha com uma sociedade em outras bases. Quando o pensamento teórico se desenvolve sobre os próprios dados e dificulta sua aplicação, impedindo uma explicação clara do real, também pode ser entendido no sentido pejorativo.

Doutrinariamente, ideologia é entendida como conjunto de idéias que exerce influência sobre os grupos sociais e legitima formas de ação.

Nesse sentido a ideologia procura convencer para ganhar adeptos a doutrinas políticas, econômicas, filosóficas, religiosas, morais, que inspiram governos e partidos políticos, por exemplo.A ideologia alia idéia e prática em uma lógica dissimuladora. Para enfrenta-la, é preciso desenvolver o espírito crítico.

A ideologia prescreve normas para a conduta humana e, por isso, tende a manter a ordem social. Tem capacidade de representar a realidade, um bom exemplo é a idéia de pátria-mãe.Procede a inversão da realidade, encobrindo s causas.

A ideologia produz um afastamento do produtor em relação a seu produto, impedindo-o de achar significado em seu trabalho. Banaliza e projeta um conformismo e a indiferença para com determinadas situações sociais.

A ideologia opera a fetichização da mercadoria, pois esta exerce domínio sobre o produto e o fascínio sobre o consumidor, como tivesse vida própria.Nesse processo a ideologia transforma as relações entre os homens em relações entre coisas. Não percebemos as relações sociais intrinsecamente contidas n mercadoria.

A ideologia faz que as qualidades das coisas apareçam com seus atributos naturais. Assim são coisificadas as relações de trabalho, pois que valorizadas na forma de salários.

E possui ainda outras características como a naturalização, a homogeneização e a ocultação do verdadeiro conhecimento da realidade.

Gisele Leite
É professora de direito no Rio de Janeiro e articulista do site DIREITO.COM.BR

Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 08/11/2007
Alterado em 13/02/2010
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras